Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sobre os Eventos de 10.1.2016

por Papoila Saltitante, em 11.01.16

Pergunto-me quantos mais jogos terão de ser adiados na Choupana, quantas mais jornadas terão de ficar em atraso, para que a Liga perceba que a situação da Choupana é um problema que exige uma rápida resolução. Retirar as equipas da Madeira da competição não é solução, mas há outras que podem ser tomadas e que resolveriam esta situação de uma vez por todas: Criar protocolos que permitam a realização dos jogos nos Barreiros (ou noutro campo neutro), em vez de na Choupana, ou cobrir o estádio pareceriam-me as melhores soluções, mas não necessariamente prováveis ou viáveis, pelo que, pelo menos, seria importante começar a evitar jogos à noite. Jogar mais cedo não é necessariamente sinónimo de jogar sem nevoeiro, mas a probabilidade de se verificarem estas condições atmosférias ao início da tarde tende a ser menor. E, obviamente, esta seria apenas uma solução temporária até que se encontrasse uma solução que terminasse de vez com esta situação que se vai tornando incomportável. É necessário respeito, por parte da Liga, tanto pelos jogadores e equipa técnica, como pelos adeptos que se deslocam ao Estádio à hora agendada e vêem o jogo não ser realizado, correndo o risco de não poder estar presentes num qualquer outro dia e hora em que decidam jogar o jogo. Sejamos sinceros, muitas das pessoas que puderam estar ontem na Choupana às 20:30, certamente não poderão estar a uma segunda-feira ao meio-dia. Já para não falar nos inúteis sete minutos de jogo que se jogaram ontem. Ao assistir ao jogo na SportTV, dei por mim frequentemente a procurar a bola de um lado do campo quando ela já não estava lá há muito tempo. Na verdade, foi mais ou menos como ouvir o relato.

Quanto a este senhor, por quem o respeito que sinto já é muito pouco, tenho a dizer: Apelidar uma arbitragem de 'excelente' quando há um pénalti muito discutível (a mão parecia estar mesmo fora de área) e um conjunto de agressões perdoadas roça o hipócrita, mas essa não é uma característica rara nos discursos deste indivíduo. E, em relação às declarações em que deixa implícito que Rui Vitória nunca ganhou títulos... Possivelmente, esqueceu-se daquela Taça de Portugal que Rui Vitória ganhou. Contra o Benfica. Que ele treinava. Eu, pessoalmente, não me esqueci - infelizmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:01


Ai, Jesus.

por Papoila Saltitante, em 08.01.16

O assunto do dia de hoje, e de ontem, e possivelmente de todos os dias até ao próximo discurso polémico de Bruno de Carvalho ou Jorge Jesus, é que o atual treinador do Sporting de Lisboa não considera Rui Vitória como um treinador. Antes de continuar, eu gostava de apresentar a minha solidariedade para com Jorge Jesus e dizer que o compreendo perfeitamente. É que é difícil considerar Rui Vitória como um treinador quando, na verdade, o homem já escreveu um livro, já foi professor, já foi jogador, toca bateria e, vá lá, treina o atual bicampeão nacional. No meio de um currículo tão vasto, perceber o que chamar a Rui Vitória pode causar confusão. É provável que Jorge Jesus esteja apenas a demonstrar mais um dos seus comuns problemas com essa componente linguística tramada que é a semântica, e não a ser um completo otário sem quaisquer noções éticas ou deontológicas. É a comunicação social que temos, constantemente a denegrir a imagem de todos os órgãos relacionados com o Sporting de Lisboa, mesmo em situações inofensivas como esta. Se pensarmos bem, é possível que estejamos simplesmente perante uma situação a que podemos chamar de Lotopegui 2.0. Jorge Jesus por vezes engana-se, umas vezes diz que é treinador, outras vezes diz que não é treinador... São erros que acontecem e não merece ser crucificado por isso.

Se nos lembrarmos que Rui Vitória é o homem que, enquanto não-treinador do Benfica, foi ganhar a casa do atual líder do campeonato espanhol, que expulsou o Futebol Clube do Porto da Taça da Liga ao comando desse colosso mundial que é o Fátima, e que roubou uma Taça de Portugal a Jorge Jesus enquanto líder do Vitória de Guimarães, torna-se evidente que Jorge Jesus não podia estar mesmo a falar a sério quando disse que Rui Vitória não é treinador. É que se um homem que nem sequer é treinador lhe roubou a Taça de Portugal das mãos, o que é que isso diz sobre as suas próprias competências? É algo a refletir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:34


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D